Vacina: medidas contra a Convid-19 ainda devem ser mantidas

Mesmo com a vacina medidas de segurança contra a Covid-19 devem ser mantidas

Com a perspectiva de uso emergencial da vacina contra a Covid-19 cresce a esperança pela normalização das atividades comerciais e sociais que impactam direto na economia brasileira. No entanto, mesmo com a imunização, as medidas de prevenção adotadas contra o coronavírus deverão ser mantidas, a fim de evitar a circulação e contaminação pelo vírus.

Isso porque, no primeiro momento, será vacinado apenas o grupo considerado prioritário. Devido à alta demanda, essa etapa de imunização pode levar alguns meses e por isso o vírus continuará a circular normalmente em toda sociedade. Outro ponto importante é que, mesmo que imunizada, uma pessoa é capaz de transportar o vírus e contaminar outra que ainda não recebeu a vacina. Isso pode acontecer, por exemplo, através do contato direto com as mãos em um objeto contaminado pela Covid-19. Sem fazer a higienização correta das mãos, essa pessoa pode contaminar outro objeto ou outra pessoa, caso toque nela.

O risco de que o coronavírus continue a circular sem controle em 2021 aumenta a possibilidade do retorno às medidas mais restritivas contra a circulação de pessoas e abertura do comércio. Um pesadelo do qual todo empreendedor quer se ver livre. As medidas de flexibilização iniciadas entre o segundo e terceiro trimestre de 2020 trouxeram alívio para os pequenos e médios empresários.

Em São Paulo, por exemplo, as vendas no comércio cresceram 17,1% em novembro, em comparação a outubro. No entanto, quando considerado o mesmo período de 2019, houve queda de 5% no movimento do comércio, segundo informações da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O resultado do PIB do 3° trimestre de 2020 ainda que positivo, mostra que o setor de serviços – com peso de 70% no PIB brasileiro e também o que mais emprega – reagiu de forma mais lenta. Principalmente quando se trata de atividades que exigem contato direto ou demandam a mobilidade de pessoas, como o lazer, alimentação fora de casa e o turismo. Mesmo com a indústria e o comércio conseguindo eliminar as perdas da fase mais aguda da pandemia, a recuperação se mostra desigual e incompleta.

Frear a circulação do coronavírus é um esforço que deve ser realizado por todos. Portanto, as empresas precisam continuar empenhadas a manter as medidas necessárias para impedir a transmissão do vírus. Em alguns estados o nível de transmissão e ocupação de leitos continua elevado, gerando preocupação de entidades ligadas à saúde. Em nota pública, o Observatório Covid-19 BR, projeto que reúne 80 técnicos e pesquisadores, alertou para a necessidade de medidas mais duras para não se perder todo o esforço já realizado.

Mantendo o ambiente seguro com ou sem a vacina

Um estudo recente realizado pela KPMG, uma das maiores empresas globais de prestação de serviços profissionais, aponta que os impactos da Covid-19 nos negócios foram crítico nas áreas internas de gestão de pessoas, gestão de crise, gestão financeira e adaptação tecnológica.

Em uma série de publicações anteriores, apresentamos soluções para que as empresas possam mitigar as perdas no caixa, através de medidas que fortaleçam a confiança dos clientes e colaboradores quanto às normas de segurança contra a Covid-19. Neste artigo, compilamos as principais medidas que devem ser mantidas para a recuperação das empresas em 2021.

Segundo estudo sobre o retorno aos escritórios, realizado pela KPMG, 38% das empresas optaram por retomar o trabalho presencial em 2021. Esse retorno deve acontecer de forma gradativa com aproximadamente 30% e 50% dos funcionários. A medida previne a aglomeração de pessoas nos escritórios e em áreas de acesso, como os elevadores.

Algumas empresas estão apostando também na intervenção dos espaços físicos, como a adoção de sentido único nos corredores e nichos para separar as estações de trabalho. No entanto, o mau comportamento de um ou outro funcionário deve causar estresse no ambiente, prejudicar os investimentos e colocar em risco os colegas de trabalho. Por isso as empresas devem realizar palestras e ações para conscientização a respeito das medidas.

Neste mesmo sentido, a escolha dos fornecedores é fundamental para que a empresa possa oferecer produtos de qualidade para que clientes e funcionários façam a higienização correta das mãos. A Wesco possui uma linha variada de produtos que podem estar disponíveis em todos os ambientes, proporcionado, assim, segurança e bem estar.

Nas estações de trabalho o frasco de 500 ml de Álcool em Gel com Pump é um eficiente aliado para a desinfecção das mãos. Para uma ação ainda mais eficiente, os panos umedecidos Coperalcool Bacfree podem ser utilizados para a desinfecção da mesa, do computador e seus periféricos. O produto possui longa duração antibacteriana, garantindo até 6h de proteção.

Um Banheiro Wesco proporciona mais conforto e melhora a experiência dos clientes. Com uma variedade de produtos como dispensers automáticos, bloqueadores de odores, produtos para higiene bucal e multiuso. Como o Free Wipes que pode ser usado na superfície de sanitários e até mesmo para a desinfecção das mãos. Áreas mais delicadas exigem produtos apropriados. O Álcool Spray 70% desinfeta a seco e pode ser usado em diversas superfícies com rápida evaporação.

Referências: G1, Isto É, KPMG

 

 

 

 

 

× Como posso te ajudar?