Insatisfação no trabalho e o prejuízo do absenteísmo

Insatisfação no trabalho e o prejuízo do absenteísmo

Salário bom é o suficiente para reter um talento e evitar o absenteísmo ou até demissão? 

Aline acordou naquela segunda-feira com certo descontentamento um tanto anormal. O final de semana trouxera um alento para o ritmo acelerado que estava tendo no serviço do escritório com tantos prazos e metas para alcançar. No entanto, Aline não se sentia descansada, nem sequer animada. O que estava acontecendo?

Ao sentar-se em sua cadeira e ligar o seu computador já no escritório, onde passaria as tradicionais 8 horas de serviço, a profissional percebeu que conseguia fazer previsões. Explico: Aline sabia o que aconteceria até o final do dia. Melhor, sabia como seria o amanhã, o depois do amanhã. Aline sabia como seria sua semana. Não havia novidades, não havia perspectiva. Apenas trabalho.

Sendo a número um de sua equipe, a profissional havia ganhado uma bonificação. Todavia, não havia o que comemorar, seus colegas de escritório nem sequer a consideravam uma colega, mas sim uma ameaça. Aos poucos, um ambiente tóxico se formava.

A infraestrutura da empresa era “ok”. Foi feita para quem estivesse ali por algumas horas. Tinha o básico e nada mais. É como se o recado fosse dado: “você não está aqui para ser feliz, apenas trabalhe”. Não fazia sentido.

Aline ouvira de uma amiga próxima que existiam empresas melhores, com ambientes que apoiavam a convivência entre os funcionários; que os banheiros eram equipados com ferramentas que não somente pensavam no básico da higiene, mas sim no bem-estar e saúde do funcionário (com enxaguantes bucais e até dispenser de fio dental); além de oferecerem uma cultura organizacional que não vislumbrava lucros pela competitividade e conflitos entre os empregados, mas sim com a colaboração entre eles. Porém, o salário era menor que o recebido por Aline.

Mas e o seu valor? O valor do seu tempo ali? Aline estava alimentando uma organização que não tinha propósito e muito menos oferecia objetivos pessoais aos seus funcionários. Uma empresa que não oferecia nem bem-estar. Valia a pena mesmo aquele salário? No dia seguinte, Aline faltou ao serviço. E foi assim por cerca dos 30 dias seguintes, com a excelente funcionária, faltando e faltando até, finalmente, ser demitida.

Absenteísmo: prejuízo para a empresa

Absenteísmo e a queda na produtividade são variáveis diretamente relacionadas. A conclusão é do estudo Gallup-Healthways Well-Being Index, baseado em entrevistas de 94.000 trabalhadores norte-americanos em 14 ocupações distintas. O objetivo era entender quanto as empresas perdiam por conta de faltas e atrasos em suas equipes.

O estudo apurou quantos dólares a queda na produtividade causada pelo absenteísmo custava aos variados setores nos quais trabalhavam os empregados abordados. A tabela a seguir reflete os resultados:

absenteísmo

Ou seja, o absenteísmo gerou um prejuízo total de U$ 84 bilhões de dólares à economia americana no período estudado.

Divulgado na publicação The Bottom-Line Killer, outro estudo, dessa vez conduzido pela empresa Circadian constatou que o absenteísmo onera o empregador em U$ 2.650/ano para cada empregado assalariado.

O prejuízo é a soma dos gastos como salário pago ao trabalhador ausente, custo de substituição de mão-de-obra e custos administrativos para gerenciar o absenteísmo.

Outras consequências do absenteísmo vão além dos custos diretos, como o descontentamento por parte de funcionários que precisam cobrir o empregado ausente e a redução na qualidade do serviço devido ao desguarnecimento.

Apostar em bem-estar é o caminho certo

Não se trata de gasto, mas sim de investimento! Como na história ficcional narrada, mas que é comum a todos, muitos gestores entendem o investimento na qualidade de vida dos funcionários como só mais um gasto. Contudo, é valorizando o capital humano que se consegue melhores resultados. Sempre.

Seja no ambiente de trabalho ou na vida particular, a qualidade de vida de um profissional permite uma rotina mais saudável, com menos doenças, menos estresse e mais disposição para suas atividades. Isso se reflete nos lucros da empresa.

Uma empresa que promove ações voltadas para o bem-estar, incentivando a prática de esportes, a busca pela cultura e lazer, a escolha por uma alimentação saudável, entre outras, torna-se um local que o profissional terá prazer em trabalhar, vislumbrando um propósito que vai além do salário oferecido. Por que um funcionário deixaria na mão uma empresa que incentiva sua felicidade e bem-estar?

Soluções Wesco

Com a Wesco, com certeza a sua empresa estará com os produtos certos na hora da higiene dos seus funcionários. Conheça alguns dos produtos:

TORK DISPENSER DE TOALHA INTERFOLHADA

A linha Tork Elevation é uma gama de dispensers com um design elegante e funcional. Possui uma aparência moderna e se encaixa em qualquer toalete. O sistema de toalha TORK é bem adequado para toaletes de restaurantes, escritórios e onde o cuidado extra e higiene são importantes, pois possui um exclusivo sistema de berço elevado que COMPROVADAMENTE reduz em até 33% o consumo de papel.

DISPENSER PARA FIO DENTAL

O dispenser de Fio Dental é fácil de usar e deve ser instalado em ambientes: onde o zelo e a higiene são fundamentais. É recomendado a lugares públicos como escritórios, indústrias, restaurantes, universidades, órgãos governamentais, consultórios, laboratórios, hospitais e outros.

KIT DE ENXAGUANTE BUCAL LISTERINE

Leve ao seu estabelecimento um produto de fácil acesso, que preserva a saúde de sua equipe e clientes. Sinta um agradável frescor com antisséptico bucal Listerine sabor Cool Mint.

Conheça a Wesco e descubra o produto ideal para a sua empresa fortalecer o ambiente de trabalho e a relação com o cliente. Clique aqui!

Com informações: Convenia, GymPass, eadbox