Coronavírus – Dicas para ajudar os idosos durante a quarentena - Wesco

Coronavírus – Dicas para ajudar os idosos durante a quarentena

O novo coronavírus, o COVID-19 tem afetado países por todo o globo, surpreendendo principalmente pelo grande número de pessoas contaminadas e pela quantidade de mortos, principalmente na China, onde iniciou o surto e na Itália.

Já é de conhecimento pelas autoridades médicas que a nova doença afeta de maneira mais grave pessoas com doenças crônicas e os mais idosos, com uma taxa de mortalidade de até 15% naqueles com mais de 80 anos.  Por esta razão, é necessário esforços individuais e coletivos para conter essa nova epidemia.

Os idosos são mais vulneráveis a COVID-19 porque, a partir dos 60 anos, o sistema imunológico passa a se deteriorar devido o envelhecimento do corpo. Além do organismo perder a capacidade de responder da melhor forma possível a uma infecção, indivíduos dessa faixa etária costumam ter mais doenças também.

A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia orienta que pessoas com mais de 60 anos, sobretudo se tiverem diabetes, hipertensão ou problemas respiratórios, cardiológicos, renais ou neurológicos, além de indivíduos em tratamento de câncer ou que estejam com a imunidade comprometida, bem como todos aqueles com mais de 80 anos ou que tenham sinais de fragilidade, restrinjam o contato social.

Para aqueles que se enquadram dentro do grupo de maior risco, é essencial manter o isolamento dentro de casa, evitando até mesmo áreas de convivência dentro dos condomínios. Por isso, familiares que vivem com estas pessoas e não se enquadram no grupo de risco precisam tomar algumas medidas para evitar a contaminação comunitária do coronavírus.

É preciso lavar as mãos com frequência, deixar os sapatos do lado de fora das casas, evitar o contato físico. Quando estiver na rua é preciso lembrar-se do risco de estar levando o vírus para dentro de casa, então redobre os cuidados com a higiene, principalmente nos primeiros minutos de seu retorno. Separe as roupas para lavar, e faça a higiene adequada do corpo.

Ao mesmo tempo em que o isolamento se torna uma arma para impedir a propagação do vírus, a medida tende a contribuir com a sensação de abandono e com a depressão, principalmente naqueles que vivem longe dos familiares. O dialogo é muito importante nesse momento. É preciso esclarecer aos mais velhos os riscos da COVID-19, e por que tais medidas se fazem necessárias.

Apesar disso, não há justificativas para o abandono. Familiares podem manter atividades sociais dentro dos lares, desde que se tomem todas as medidas necessárias de higiene. Aqueles que moram mais distantes podem também fazer vídeos chamadas e reunir toda a família do outro lado da tela.

Nos condomínios algumas medidas para ajudar os mais idosos se espalham pela internet. Moradores saudáveis estão se disponibilizando para fazer compras, pagar contas, retirar o lixo e para desinfectar áreas comuns como elevadores e portas do condomínio. Alguns grupos também se organizam para cantar de suas janelas e varandas, uma medida que contribui para manter a saúde mental nesse momento de crise.

Para ajudar os idosos a superar o isolamento social, o EXTRA reuniu dez dicas, a partir de conversas com a geriatra e psiquiatra Roberta França, a gerontóloga Carolina Ruiz e a psicóloga e diretora da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia Valmari Cristina Aranha. Confira:

Fixar rotina

A rotina faz com que o idoso fique menos ansioso. Por isso, nem pensar em ficar de pijama o dia todo. Definir horários para as refeições, por exemplo, ajuda a manter a glicose estável, pois evita que o idoso fique "beliscando" ao longo de todo do dia.

Adaptar exercícios

Para os que estão acostumados a fazer exercícios em academias ou ao ar livre, o ideal é adaptar a atividade para dentro de casa, na medida do possível.

Afazeres domésticos

Os afazeres domésticas podem entrar no planejamento da rotina. Além das tarefas comuns do dia a dia, como lavar louça e varrer a casa, é um bom período para arrumar armários e organizar caixas de fotografias antigas, por exemplo.

Livros e filmes

Livros e filmes são boas distrações e ajudam a passar o tempo, mas a psiquiatra Roberta França alerta que os temas devem ser alegres.

Manter contato

O período de quarentena não é desculpa para o abandono. É fundamental que amigos e parentes mantenham a interação com ligações e, se possível, com o envio de fotos e vídeos.

Ambiente digital

Para os idosos mais antenados com a tecnologia, a internet oferece uma enorme gama de opções. É possível fazer desde visitas virtuais a museus até assistir a filmes, óperas e outros tipos de produtos audiovisuais.

Alguns museus que oferecem tours virtuais e coleções online (esta curadoria foi feita por nós e não consta na matéria do EXTRA):

  1. Pinacoteca di Brera – Milão - https://pinacotecabrera.org/
  2. Galeria Uffizi – Florença - https://www.uffizi.it/mostre-virtuali
  3. Museus do Vaticano - Roma -http://www.museivaticani.va/content/museivaticani/it/collezioni/catalogo-online.html
  4. Museu Arqueológico - Atenas - https://www.namuseum.gr/en/collections/
  5. Prado - Madri – https://www.museodelprado.es/en/the-collection/art-works
  6. Louvre – Paris – https://www.louvre.fr/en/visites-en-ligne
  7. Museu Britânico – Londres - https://www.britishmuseum.org/collection
  8. Metropolitan Museum - Nova York - https://artsandculture.google.com/explore
  9. Hermitage - São Petersburgo - https://bit.ly/2UfR3Gk
  10. Galeria Nacional de arte - Washington - https://www.nga.gov/index.html

Jogos antigos

Para os idosos que não têm aptidão para a tecnologia, uma boa pedida é que, o acompanhante ou parente que more com ele, recorra aos jogos antigos.

Oferecer apoio

Alguns idosos são mais dependentes emocionalmente e precisam contar com o apoio de filhos ou outros parentes com quem moram. “Para esses idosos, mudar a rotina e instituir algo novo é muito difícil. É o momento para a família se aproximar ainda mais, para que a socialização não se perca. É importante tentar entender a rotina do idoso de fora de casa e trazê-la para dentro de casa. Tentar minimamente manter um link com a rotina que o idoso tinha antes é fundamental”, diz a gerontóloga Carolina Ruiz.

Relembrando dos Cuidados e Prevenção

Para evitar os riscos de contaminação do COVID-19 é importante tomar algumas medidas de precaução que já estão sendo amplamente divulgadas. O uso de máscaras deve ser vetado quando não há qualquer sintoma do vírus, especialistas do setor de saúde afirmam que após 2 horas as máscaras devem ficar úmidas, o que pode aumentar os riscos de transmissão. Fique atento aos cuidados indicados:

  • Lavar as mãos por 20 segundos até a metade do punho, esfregando também as partes internas das unhas;
  • Usar álcool 70 para limpar as mãos antes de encostá-las em áreas como olhos, nariz e boca;
  • Ao tossir ou espirrar, usar a parte interna do cotovelo para cobrir a boca;
  • Evitar multidões;
  • Usar máscaras apenas quando apresentar sintomas;
  • Evitar tocar o nariz, olhos e boca antes de lavar as mãos;
  • Manter a distância de um metro de pessoas que estiverem espirrando ou tossindo;
  • Limpar com álcool objetos tocados frequentemente;
  • Evitar cumprimentar com beijos, aperto de mãos e abraços;
  • Evitar sair de casa caso apresente algum sintoma de gripe;
  • Utilizar lenço descartável quando estiver com coriza;
  • Se informar sobre os métodos de prevenção e repassar informações corretas.
  • Se quiser consultar um médico, marque uma visita ao consultório, em vez de procurar um Pronto Socorro.

 

Referências: G1, Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, O Globo