Como evitar o constrangimento do uso do banheiro no trabalho?

Como evitar o constrangimento do uso do banheiro no trabalho?

Seja para funcionários ou clientes, uma ida ao banheiro pode ser traumática

Você é daqueles que evita usar o sanitário durante o expediente de trabalho? Já passou pela necessidade de segurar a vontade evacuar pelo receio que sintam odores após você utilizar o sanitário? Trabalha em um ambiente onde o local do banheiro tem manutenção precária?

Quando se fala dessa situação em escritórios ou diferentes ambientes de trabalho, assegurar o bem-estar de todos que usam o banheiro é essencial para manter uma boa produtividade e uma convivência pacífica – além de se evitar o absenteísmo de funcionários.

Nosso blog traz hoje soluções para evitar constrangimentos, causados por odores, higienização deficiente e outras questões, que surgem no cotidiano de escritórios, quando se fala no uso do banheiro compartilhado. 

De acordo com especialistas, quando se fala na média de vezes que é saudável se usar o banheiro para urinar, o adequado é que sejam no máximo 8 vezes. Mais do que isso, ou se a pessoa acorda muitas vezes durante a noite por esse motivo, pode ser sinal de incontinência urinária, ou perda involuntária de urina. Essa necessidade súbita de urinar também pode indicar uma disfunção chamada bexiga hiperativa, infecções, diabetes, problemas de próstata nos homens e gravidez nas mulheres.

Em relação às fezes, manter um bom funcionamento intestinal é fundamental para a saúde. Médicos apontam que o ideal é ir ao banheiro para evacuar todos os dias. Porém, é normal que se faça o ato de três vezes ao dia a três vezes na semana, variando muito de pessoa para pessoa.

Se for notado algum sinal que o intestino não esteja funcionando de forma regular, apresentando fezes com aparência, textura ou periodicidade fora do comum, a pessoa pode estar com inflamação do cólon, distúrbios anatômicos pélvicos, deslocamento retal, hemorroidas e fissuras.

Banheiro no trabalho

Fazer necessidades fora de casa é um pesadelo para muitos. Se for no ambiente de trabalho então, essa situação pode ser traumática. Afinal, estamos falando de um local em que é comum se estar em pressão por resultados.

business-1477601_960_720

Pelos constrangimentos, é comum que os colaboradores evitem o máximo o uso do banheiro.

Muitos acreditam que questões pessoais e íntimas, como o uso do banheiro para emergências fisiológicas, podem refletir em julgamentos de cunho pessoal, mesmo quando se está em um ambiente estritamente profissional. O constrangimento existe, seja pelos odores, a demora do ato ou quando possui frequência maior em eventuais casos. Ter esse receio não é anormal, podendo ser evitado com uma infraestrutura preparada.

Porém, isso se torna um desafio quando o próprio local possui condições precárias, com manutenção e limpeza deficientes, além da baixa oferta de ferramentas que auxiliem o usuário na própria higiene. Por esses motivos é comum que os colaboradores evitem o máximo o uso do banheiro, o que pode gerar reflexos na convivência com os colegas e até em relação ao serviço em si.

“A necessidade de se usar o banheiro apenas em casa, faz com que funcionários fiquem totalmente desconcentrados e contando os minutos para ir embora. É, para alguns, o desespero de chegar em casa para se livrar do incomodo. Ou seja, produtividade zero!”, analisa Wesley Garcia Gomes, Diretor Comercial da Wesco, empresa especializada em oferecer ferramentas de higiene e bem-estar.

Perigo para saúde

Além de prejudicar na produtividade, o coloproctologista João Ricardo Duda, em artigo para o portal Minha Vida, indica que reter as fezes no reto e no cólon pode implicar em outros problemas de saúde como:

  • Constipação intestinal: quanto mais as fezes permanecem no intestino, maior a absorção da água nelas existente, e mais firmes elas ficam. Além disso, ao tentar evacuá-las, pode haver traumas no ânus, resultando em fissuras anais;
  • Distensão do cólon: a medida em que retemos as fezes, há uma distensão na musculatura retal, que envia sinais nervosos ao cérebro para que a vontade de defecar seja inibida;
  • Problemas evacuatórios: quando essa vontade é inibida faz com que o cérebro entenda que você não goste, não precise, não queira evacuar. O eixo cérebro-intestinal pode se ajustar a enviar impulsos evacuatórios em menor quantidade, mais espaçadamente;
  • Incontinência fecal: em casos mais graves, devido ao grande acúmulo de fezes no reto, pode haver incontinência fecal uma vez que o organismo busca desesperadamente livrar-se das fezes retidas. Chamamos isso de evacuação paradoxal;
  • Diverticulite: segurar o cocô pode ocasionar fissuras anais durante a evacuação, e implicar no desenvolvimento da doença diverticular dos cólons. Fezes retidas no intestino aumentam a fermentação bacteriana dentro do cólon.

Banheiros: estratégicos para o bem-estar de funcionários

Caso funcionários evitem fazer as necessidades fisiológicas nos banheiros oferecidos no local do trabalho, isso pode se refletir no absenteísmo de colaboradores. Seja por doenças como as citadas acima, ou pela escolha em faltar, em algum dia atípico, quando o trabalhador sentir que precisa usar o banheiro mais vezes que o normal.

É por isso que manter banheiros preparados para receber de forma confortável e seguro todos os funcionários da empresa é, além de afirmar um compromisso assegurado como direito do trabalhador, também serve como um diferencial que se refletirá na produtividade de todos da empresa.

Veja alguns utensílios que, aliados com uma higienização periódica e manutenção do ambiente dos banheiros, podem auxiliar nessa melhor recepção dos usuários:

Bloqueador de odores sanitários FreeCô

FreeCô é o primeiro produto do Brasil que bloqueia o mau cheiro que sai do vaso sanitário.

FreeCô é o primeiro produto do Brasil que bloqueia o mau cheiro que sai do vaso sanitário.

Trata-se de um spray de óleos naturais aromatizados que deve ser espirrado na água do vaso sanitário antes de fazer o “número 2”. Assim, se forma uma camada na parte superior da água, que as fezes furam quando caem, mas é imediatamente restaurada e as fezes ficam debaixo vedadas, impedindo que o cheiro saia. Como o óleo é aromatizado, é como se as pessoas fizessem “número 2” com cheirinho mais agradável. Ao final puxa-se a descarga e tudo vai embora sem deixar nenhum odor, deixando apenas um leve aroma gostoso no ar.

“Para as empresas a abordagem é que os funcionários (principalmente funcionárias) não se sintam constrangidas de irem ao banheiro e deixando uma ‘prova olfativa’ do que foi feito por lá”, pondera Wesley. Saiba mais sobre essa inovação aqui.

Protetor de assento sanitário

O protetor de assento sanitário descartável é um conceito de higiene, para proteção da saúde contra os riscos de contaminação em toaletes coletivos. Feito em papel hidrossolúvel, é um hábito já consagrado e largamente utilizado nos mais avançados centros do mundo. Veja mais sobre esse produto aqui.

Dispenser para fio dental

O dispenser de Fio Dental é fácil de usar e deve ser instalado em ambientes: onde o zelo e a higiene são fundamentais. É recomendado a lugares públicos como escritórios, indústrias, restaurantes, universidades, órgãos governamentais, consultórios, laboratórios, hospitais e outros. Conheça essa inovação aqui!

Kit de enxaguante bucal Listerine

Leve ao seu estabelecimento um produto de fácil acesso, que preserva a saúde de sua equipe e clientes. Sinta um agradável frescor com antisséptico bucal Listerine sabor Cool Mint. Saiba mais sobre essa inovação aqui!

Coletor de Absorvente

Produzido no formato de luva, em polietileno de alta densidade (PEAD 1° uso), evita o contato direto na hora de trocar de absorvente e simplifica o seu descarte, contribuindo para a não contaminação do ambiente onde está sendo descartado. Veja aqui mais informações.

Com informações: Minha Vida, Site de Curiosidades, Boa Vida Online.