Como a alimentação funcional pode nos ajudar | Wesco

Como a alimentação funcional pode nos ajudar

Você conhece o ditado “Melhor prevenir do que remediar”? Ele não se aplica apenas com bons hábitos higiênicos, ele também se aplica na nossa alimentação. Há alimentos que são considerados por muitos nutricionistas e médicos como alimentos funcionais, pois eles ajudam a manter a boa saúde e o bom funcionamento de nosso corpo.

O que é um alimento funcional?

A alimentação funcional consiste em alimentos ou ingredientes que produzem efeitos benéficos à saúde, além de suas atribuições nutricionais. Esses alimentos ou ingredientes podem ajudar na prevenção e na redução de doenças, como o câncer, diabetes e outras doenças degenerativas crônicas, além de possuírem um impacto positivo para o funcionamento do nosso corpo.

Vale ressaltar que esses alimentos só trarão os benefícios ditos se consumidos com frequência e se associados com um estilo de vida saudável, onde a pessoa tenha o hábito de uma alimentação saudável e algum exercício físico. Vale lembrar também que, se você está querendo mudar seus hábitos alimentares e/ou de exercícios físicos, o ideal é consultar um médico antes.

Qual a importância da alimentação funcional?

A principal importância da alimentação funcional é justamente a capacidade desses alimentos e ingredientes possuírem nutrientes cujas funções ajudam na prevenção e na redução de doenças, além de também ajudarem em tratamentos. Além disso, para quem busca uma vida saudável, os alimentos funcionais cumprem o devem de nutrir e saciar muito bem.

Quais são os alimentos funcionais?

  • Vinho: Se a pessoa não tiver restrições médicas, um cálice de vinho tinto por dia é o suficiente. O vinho é rico em antioxidantes que ajudam na redução do risco e doenças cardiovasculares já que ajuda a diminuir o colesterol, além de ajudar na incidência de alguns tipos de câncer. O vinho também estimula o sistema imunológico e dá prazer.
  • Pimentas: A pimenta é um termogênico natural, auxiliando na queima de gorduras, pois aumenta o nosso metabolismo. Além disso, a pimenta libera endorfina, dando uma sensação de prazer. Há estudos que dizem que a ingestão de pimenta vermelha diminui a vontade de ingerir proteínas, carboidratos e gorduras. De acordo com esses estudos, esse efeito provavelmente está ligado ao aumento de estimulo no sistema nervoso simpático, e como o sistema nervoso simpático afeta o comportamento de ingestão alimentar, a adição da pimenta vermelha na dieta poderá ajudar na vontade de comer, reduzindo o desejo de comer.
  • Alho: Ajuda a reduzir o colesterol e a pressão sanguínea, melhorar o sistema imunológico e ajuda na redução do risco de câncer gástrico. Além disso, o alho possui antioxidantes que inibem as enzimas que produzem estrogênio, que quando em excesso fazem nosso corpo “estocar” gordura. Deve-se levar em consideração que os benefícios do alho só funcionam se ele estiver cru ou o mais próximo possível de cru, isso porque a cocção faz com que o alho perca suas funções nutricionais.
  • Linhaça: Possui gorduras do bem, ajuda na redução do colesterol ruim (LDL) e aumenta o colesterol bom (HDL), ajuda na prevenção de diversas doenças cardiovasculares e possui ação anti-inflamatória. Rica em fibras, além de dar saciedade, a linhaça ainda ajuda na prevenção de cânceres de mama, cólon, entre outros, diminui a absorção de gorduras e de açúcares, ajudando no emagrecimento. Além disso tudo, é ótima para regular o intestino.
  • Chá verde e chá de erva-mate: Ajudam na redução e incidência de alguns cânceres, ajudam a reduzir o colesterol e ajudam o sistema imunológico. Também são termogênicos e ajudam a queimar as gorduras localizadas, além de estimularem a sensibilidade da insulina. Para que os efeitos benefícios dos chás aconteçam, o ideal é não adoçar.
  • Azeite de oliva extra virgem: Reduz o colesterol total, o ruim (LDL) e aos poucos eleva o colesterol bom (HDL). O ideal é não aquecer o azeite.
  • Soja e seus derivados: Ajuda na redução dos sintomas da menopausa e ajuda a evitar cânceres, além de ajudar na manutenção dos níveis do colesterol.
  • Tomate: Rico licopeno, um antioxidante que ajuda a reduzir os níveis do colesterol e alguns tipos de câncer. O tomate também tem ação anti-stress.
  • Leites fermentados: Ajudam na prevenção de câncer de cólon, e ajudam nas funções gastrointestinais.
  • Peixes: Os peixes possuem ação anti-inflamatória e ajudam na redução do colesterol. São indispensáveis para o desenvolvimento cerebral e da retina em recém-nascidos, em adultos os peixes ajudam na manutenção do cérebro. Ricos em ômega 3, previnem doenças cardiovasculares, diminuem inflamações, reduzem a depressão e melhoram o sono.

Com informações de: Barra de Cereal.